Guia de Adestramento de Cães Passo a Passo

Como tirar berne de cachorro

Como tirar berne de cachorro

Quem já passou por isso sabe. É feio ver um cachorro com berne e é muito disconfortável para o animal. Mas que bichinho é esse?

O berne é a fase larval da mosca Dermatobia hominis, da família Oestridae, também mais conhecida como mosca-berneira ou mosca-varejeira, que está presente em todos os Estados brasileiros e tem como hospedeiros animais de sangue quente, ou seja, aves e mamíferos, principalmente aqueles que se encontram em zonas rurais.

Como se dá esse parasitismo? Após a cópula, a fêmea da D. hominis captura outros insetos (foréticos), como as moscas domésticas, por exemplo, e realiza a postura de seus ovos neles, de preferência na região abdominal. E são destes insetos foréticos que os animais como os cachorros acabam pegando a berne. Até por isso é comum haver cães e outros animais com berne em um ambiente em que não estejam presentes as moscas do berne.

Depois de seis dias após a postura dos ovos, as larvas de primeiro estágio já estão formadas. Quando então o inseto pousa sobre um animal, o calor deste, seus odores e a presença do gás carbônico emitido por sua respiração estimulam as larvas, que saem dos ovos, perfuram e penetram a pele do hospedeiro, ficando apenas com o espiráculo – parte respiratória da larva – voltada para fora e podem permanecer no local atingido por até 40 dias ou mais. E em apenas uma semana de parasitismo a larva já aumenta em até oito vezes o seu tamanho. Assustador, não é mesmo?

Uma vez que o berne esteja presente nos animais, temos o que se pode chamar de dermatobiose ou miíase furuncular, que nada mais é do que uma afecção parasitária que atinge os tecidos do corpo. De acordo com um estudo realizado pela Embrapa, tal afecção se caracteriza pela formação de nódulos no hospedeiro que podem conter uma ou mais larvas em seu interior.

O berne então vai se desenvolvendo no tecido subcutâneo, isto é, embaixo da pele e conforme se movimenta e cresce – e devido também aos espinhos que recobrem o seu corpo – causa muita dor, coceira e desconforto ao animal, que pode se machucar ainda mais quando ele se coça e tenta tirar a larva com mordidas.

Como retirar o berne em cães? Dá para fazer isso em casa? Percebeu que o seu cachorro está com berne e não sabe o que fazer? Com certeza a larva precisa ser retirada, e por mãos experientes de preferência, pois, caso no momento da extração a larva se “quebre”, uma parte dela ainda vai ficar dentro da pele do cão e pode causar complicações, caso o organismo do animal não consiga absorvê-la e porque, claro, fica muito mais difícil tirar o pedaço restante da larva que ficou alojada no tecido da pele. Justamente por isso o tratamento do berne em casa é contraindicado.

O melhor jeito então de se lidar com isso, é levar o cachorro ao veterinário, que após a avaliação do animal e a constatação do parasita vai apontar o tratamento correto para acabar com o berne. Depois que o profissional diagnosticar em qual estágio a larva se encontra, ele então indicará então o que deve ser feito, quais os remédios devem ser dados e por quanto tempo o tratamento deve ser feito.

Geralmente o tratamento mais recomendado é a utilização de medicamentos que devem ser passados sobre a pele do cachorro e que impedem a respiração da larva. Quando o remédio for passado, lembre-se de impedir o cão de lamber o local, pois além de ele poder se intoxicar, vai tirar o efeito do tratamento.

Depois que a larva morre, o local deve ser espremido (pelo veterinário) até que se consiga retirá-la completamente com o auxílio de uma pinça cirúrgica e deve ser tratado até a sua cicatrização para que não haja mais perigo para o cachorro. Dependendo de onde se encontra a larva, talvez seja necessário o uso de sedativos para que o seu pet não sofra muito.

Caso o berne não seja retirado, ou seja feito um mau tratamento e a ferida causada pela larva continue exposta, outra mosca pode vir a pousar no animal e depositar seus ovos no machucado, tornando as coisas piores ainda. Se a mosca for a Cochliomyia hominivorax, a mosca da bicheira, a situação pode ficar bastante complicada porque elas podem por de 250 a 500 ovos na carne exposta, e as suas larvas além de se alimentarem da pele, se alimentam de outros tecidos, inclusive atravessam músculos e órgãos – diferentemente do berne que só se limita à pele.

Dá mesmo trabalho lidar com esses parasitas, não é mesmo? Para quem quer evitar o berne em cachorro, existem algumas medidas preventivas.

A primeira coisa que se deve fazer é manter o ambiente em que o seu cachorro vive sempre limpo e manter a grama do quintal baixa para se evitar a proliferação das moscas.

Limpar as fezes do cão e deixar a lixeira sempre fechada com tampa também é uma boa ideia. Pode-se também usar produtos químicos repelentes que devem ser aplicados no dorso do animal ou uma coleira especial com repelentes que ajudem a espantar essas pragas ou ainda comprimidos orais que impeçam a infestação das larvas.

A escovação freqüente dos pelos do animal – pelo menos duas vezes por semana – e banhos dados com regularidade são imprescindíveis.

Agora, se você mora em uma área rural e o seu cachorro vive perambulando no meio do mato, não vai ter muito jeito mesmo. O negócio é ficar sempre de olho e seguir as recomendações dadas acima para não ter dor de cabeça com grandes proliferações de berne e outros parasitas. E, assim que você encontrar um berne no seu pet, não deixe de levá-lo ao veterinário.

Referências:
http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/318571
https://pt.wikipedia.org/wiki/Dermatobia_hominis
http://www.cachorrogato.com.br/cachorros/berne-cachorro/



Procurando ração, anti-pulgas, brinquedos e acessórios para o seu cão? Conheça estas ótimas ofertas.